Autoestima – Entrevista com Dra. Cibelle Antunes no “DF ACONTECE”

autoestima-elevada

Cibelle Antunes Fernandes possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1992), mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Brasília (1999) e título de Especialista em Psicologia Hospitalar (2014). Atuou como Psicóloga Hospitalar em Hospital de Reabilitação do Aparelho Locomotor – Rede Sarah, de 1992 a 1994. Foi professora Assistente II do Curso de Psicologia da Universidade Católica de Brasília (UCB) de 2001 a 2014. Desenvolve pesquisas em psicopatologia, psicodiagnóstico e Método de Rorschach. Trabalha com psicoterapia de adulto em consultório particular. Realiza supervisão em Psicologia Clínica e Hospitalar. Psicóloga Hospitalar da Secretaria de Saúde do DF desde 2010, lotada no HBDF, na Unidade de Terapia Intensiva – UTI. Preceptora e Tutora da Residência em Psicologia Hospitalar do HBDF desde 2012. É vice-coordenadora da Comissão de Residência Multiprofissional (COREMU), do DF. Integra a Comissão de Pesquisa do HBDF. Desde 2016 é Coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional da SES/DF, ESCS. Atuação em Psicologia, com ênfase nos seguintes nos temas: Psicopatologia e Psicodiagnóstico, Metodo de Rorschach, Depressão, Psicoterapia e Intervenção em Crise e Psicologia Hospitalar em Cuidados paliativos, Reabilitação e Psicologia Intensiva.

Mais vistos

Artigos e notícias com maior número de visualizações
  • Actigrafia: para que serve?

    O sono é um processo ativo onde ocorrem diversos eventos fisiológicos, como redução da frequência respiratória, da frequência cardíaca e do tônus muscular, além de alterações na liberação hormonal e na termorregulação, contribuindo para a restauração de processos fisiológicos, a consolidação da memória e a regulação circadiana.   A actigrafia é um método não-invasivo e […]

  • Cardioversão Elétrica Sincronizada Eletiva (CVES)

    (http://www.dreamstime.com/stock-image-image40308701) A cardioversão elétrica é um procedimento na maioria das vezes eletivo, em que se aplica o choque elétrico de maneira SINCRONIZADA, ou seja, o paciente deve estar monitorado no cardioversor e este deve estar com o botão de sincronismo ativado, pois a descarga elétrica é liberada na onda R, ou seja, no período refratário. […]


Siga-me no Facebook

Curta a página do Dr. Mauro Passos